Como planejar um mochilão. Dicas, roteiros, passagem, hostel, atrações e muito mais #4

Comentário 1 Padrão
a_2454

Primero voo do primeiro mochilão … só que fez uma sabe a sensação.

Seguindo nossa série de matérias sobre mochilão não podemos deixar de lado as dificuldades as vezes encontradas entre o aeroporto de uma empresa low cost e o centro das cidades. Trem, ônibus, taxi? qual a melhor opção?

Perdeu alguma parte dessa série? Parte IParte II, Parte III

Transporte do aeroporto até o centro (acomodação): Empresas  Low cost não voam para os aeroportos principais e você certamente vai aterrizar em outro aeroporto distante da cidade escolhida. O exemplo mais clássico disso é Paris onde a Ryanair saindo de Dublin vai para Beauvais, cerca de 80km da cidade Luz. Muitas vezes o bilhete de Dublin para Paris (Beauvais) custa 10, 15 euros (2013, 2014) mas o ônibus para o centro de Paris custa mais 16 euros (janeiro 2014). Por essa variação as vezes vale a pena pegar uma empresa um pouco mais cara se essa opção existe porque bilhete + ônibus por ser mais caro que um bilhete direto pro aeroporto principal. Outro exemplo é Berlin mas com uma vantagem, existe o trem/metrô. Nas cidades onde é possível ir do aeroporto até o centro de metrô tudo corre tranqüilamente porque é uma forma mais rápida e econômica. Lisboa, Berlin, Atenas, Barcelona e Madri são exemplos de tranquilidade entre o aeroporto e o centro ou acomodação. Nessa parte do planejamento leve em contato dias úteis, final de semana, feriados e outros fatos que possam estar acontecendo no país como greve ou protestos. Chegamos em Tel Aviv no sábado, sabat ou sabbath que é o dia no calendário judeu onde não se pode trabalhar. De acordo com as informações que eu tive na internet tudo fica parado até as 18h, depois tudo volta ao normal e assim me planejei. Pedi informação dentro do aeroporto e não souberam me dizer. Fui na estação e estava tudo fechado. O próprio funcionário não sabia quando os serviços voltariam. Meu plano era ir de trem por ser mais barato mas tive que mudar os planos porque passou das 18h e tudo continuava parado. O jeito foi pegar uma van credenciada pelo aeroporto que fazia a ligação com Jerusalém só que o valor saiu quase o dobro do programado. Você tem que estar preparado para tomar decisões de momento porque a pressão entre escolher um ou outro + dificuldade com um dinheiro novo + língua podem explodir sua cabeça. Basta ter calma e pensar.. da tudo certo.

IMG_3262

Metrô de Madri com ligação até o aeroporto. Não se esqueça de pagar o bilhete extra por esse trecho.

Como você percebeu até agora pesquisar é muito importante. Eu não sabia de nada disso e confesso que tive dificuldades mas agora consigo planejar qualquer roteiro rapidinho. Pesquisar sobre esse assunto pode parecer chato mas por outro lado você estará aprendendo coisas novas e adquirindo conhecimento que como diz o velho ditado não tem preço.

Bem, vamos colocar a mão na massa e escolher mais ou menos as datas. Lembra que eu disse que você só conseguiria definir as datas em cada lugar depois de conhecer as empresas aéreas e meios de transporte. Digo isso porque pode ser que um trecho escolhido não tenha voo diário. Pode ser que o valor de um dia para o outro esteja com muita diferença e você terá que mudar a ordem das cidades ou quantidade de dias em cada lugar. Lembre-se que um dia a mais em cada lugar representa mais gasto com hostel e mais gosto com alimentação. Comece pela primeira cidade que você imaginar e depois vá ligando os dias sempre anotando tudo. Se não der certo por uma empresa passe pra outra e assim por diante. Essa parte dá dor de cabeça mas depois de finalizada dá até orgulho hehehehe. Na minhas viagens usei na maioria das vezes a Ryanair  e depois Easyjet então tenha sempre essas duas como referência e se mesmo assim algum trecho ficar sem conexão tente outras. Pode acontecer de você ter que dormir numa cidade apenas para poder pegar o vôo seguinte para outro lugar. Depois de Tel Aviv meu próximo destino era Lisboa só que as datas não bateram e não tive escolha se ir de Tel Aviva para Luton (Inglaterra), dormir uma noite e depois pegar o vôo pra Lisboa no dia seguinte. As vezes é necessário apenas ir de um lugar para outro para poder trocar de avião pra ficar mais barato. Quando voltei de Lisboa fui para Paris e na mesma tarde peguei outro vôo pra Dublin. No início do ano não tem vôo direto entre as duas cidades. Pode acontecer de você ter que ir de uma cidade para outra próxima para poder pegar um voo também. Grandes cidades tem vários aeroportos e com isso diferentes empresas aéreas e uma variedade de destinos diferentes em cada um. Tenha essa flexibilidade e lembre-se de pesquisar, pesquisar e conferir tudo de novo. A Ryanair é muito boa pelas tarifas baixas entretanto em algumas épocas do ano certos trechos param e operar e com isso é necessário fazer outras rotas com trocas de aeronaves.

IMG_0180

Next Stop: Milão

Para se chegar ao planejamento final é necessário criar várias versões comparando tarifas e possibilidades. Pronto, você já tem os seus vôos programados com as datas definidas. Retorne as datas que fizemos no início e confira se ficou tudo certo observado sempre o que você vai fazer, cada atração e tenha cuidado em verificar se aquele museu esta aberto no dia programado. Isso também pode mudar os planos das suas datas. Confira dia a dia cuidadosamente colocando o horário de chegada e saída como mostrei no primeiro post dessa série. Com essa simulação você consegue ter uma dimensão melhor de quanto tempo vai ficar em cada lugar. Lembre-se que no dia do voo de partida de cada cidade é necessário chegar no aeroporto com antecedência. As empresas recomendam e eu não gosto de chegar com pelo menos uma hora e meia. Muitas coisas podem acontecer no aeroporto como problemas com a bagagem, conferencia de documentos, filas gigantes no raio x entre outras coisas. Analise bem esse cenário e você terá o seu programa finalizado.

Depois de conferir tudo compre as passagens porque esse é o primeiro passo. Os valores mudam de um dia para o outro e se você esperar muito quando voltar o preço pode ter dobrado (Ryanair é mestre pra isso). Depois das passagens voltei ao hostel e vá comprando conferindo cuidadosamente as datas. A maiorias das empresas cobram taxa pra mudar datas então não tente fazer nada de cabeça e siga a programação. Passagem compradas + hostel reservados… quase tudo pronto para a viagem.

Como prometido segue o roteiro de um mochilão que realizei em Janeiro de 2013 com a Stéfane, o nosso primeiro. Como você perceber muitas coisas mudam e no decorrer do ano como disponibilidade de voos e datas sazonais.

16/01 – Dublin > Madri: 13:50h – 17:40h / Ryanair 32,00
Hostel: 
Hostal LeZule (3 noites)                    

16/01 – Chegada em Madri 17:40h.
17/01 – Madri o dia todo
18/01 – Madri o Dia todo
19/01 – Partir para Marrakesh – 14:30h

19/01 – Madri > Marrakesh: 14:30h – 15:40h / Ryanair 42,00
Hostel: Riad Amskal 
(3 noites apenas + 1 no deserto)

19/01 – Chegada em Marrakesh – 15:40h
20/01 – Marrakesh o dia todo
21/01 – Marrakesh o dia todo
22/01 – Marrakesh o dia todo
23/01 – Partir para Milão – 09:50h

23/01 – Marrakesh > Milão: 09:50h – 14:10h / EasyJet 60,00
Hostel: Hotel Ambrosiana
  (2 noites)

23/01 – Chegada em Milão 14:10h
24/01 – Milano o dia todo
25/01 – Partir para Verona – 07:35h

25/01 – Milão > Verona 07:35h – 8:57h / Trenitalia 9,00
Ficamos apenas 1 dia em Verona e não foi necessário hostel. No mesmo dia seguimos para Veneza.

25/01 – Chegada em Verona – 8:57h
25/01 – Partir para Veneza – 21:30h

25/01 – Verona > Venezia 21:30h – 22:40h (ou 22:29h – 23:40h) / Trenitalia 9,00
Hostel: 
Casa Sant’Andrea

25/01 – Chegada em Veneza 22:40h
26/01 – Veneza o dia todo
27/01 – Partir para Florença – 19:44h

27/01 – Venezia > Florença 19:44h – 21:40h / Trenitalia 29,00
Hostel: Hotel Genesio  (3 noites)                                                                                                          

27/01 – Chegada em Florença – 21:40h
28/01 – Florença o dia todo
29/01 – Florença o dia todo
30/01 – Partir para Pisa – 07:45h

30/01 – Florença > Pisa 07:45h – 08:45h / Terravison 4,99
Da mesma forma que em Verona não foi necessário hostel.

30/01 – Chegada em Pisa 08:45h
30/01 – Partir para Roma 17:00h

30/01 – Pisa > Rome 17:00h – 19:50h / Trenitalia 9,00
Hostel:Hotel Acropoli
                                                                                     

30/01 – Chegada em Roma – 19:50h
31/01 – Roma o dia todo
01/02 – Roma o dia todo
02/02 – Roma o dia todo
03/02 – Partir para Atenas – 11:00h

03/02 – Roma > Atenas 11:00h – 14:00h / EasyJet 35,49
Hostel:Pergamos Hotel

03/02 – Chegada em Atenas – 14:00h
04/02 – Atenas o dia todo
05/02 – Atenas o dia todo
06/02 – Partir para Dublin – 11:00h. Atenas > Londres > Dublin / Ryanair 45,00

Valores referentes a Janeiro e Fevereiro de 2013 comprando com uma antecedência de 2 meses.

No proximo post vou falar sobre a famosa mochila. O símbolo que dá nome a esse tipo de aventura e o que realmente cabe em pouco espaço. Peso, medidas, o que levar, calçados, lavando cueca no hostel e tudo mais.

Links Úteis:

http://www.skyscanner.com.br
http://www.ryanair.com
http://www.aerlingus.com
http://www.arkia.com
http://www.easyjet.com
http://wizzair.com
http://www.trenitalia.com
http://www.terravision.eu/
http://www.egged.co.il
http://www.aeroportbeauvais.com

Esse série de matérias sobre mochilão é um oferecimento da Intercâmbio para Brasileiros.

www.intercambiopb.com
www.facebook.com/IntercambioPB
contato@intercambiopb.com

Solicite um orçamento no site ou venha nos visitar em uma das nossas unidades.

Livreto-IntercâmbioPB-1-2São Paulo:
Rua Paulo Orozimbo, 957
Aclimação
(11) 3207-6842

Porto Alegre:
Travessa do Carmo, Número 22
Bairro Cidade Baixa
(51) 3434-0461

Dublin:
119 Capel Street – Dublin 1
3rd Floor, Capel Chambers, Dublin – Irlanda
europa@intercambiopb.com
Telefone: +353 (0) 89 979 8752

Anúncios

E a zona de conforto? … minha opinião depois de 2 anos e meio na Irlanda.

Comentários 6 Padrão

Antes de vir pra Irlanda eu li muita coisa sobre a zona de conforto e claro sempre ficava apreensivo do que poderia acontecer com a escolha de fazer um intercâmbio. Essa “zona segura” nada mais é do que uma bolha que vamos criando ao longo dos anos até nos sentirmos tão seguros, tão seguros que não temos coragem de sair dela. Essa “falsa segurança” vem com um emprego, casa, carro, conquistas na carreira, amigos, família e assim vai. Tudo que esta ao nosso lado contribui para irmos criando camadas na nossa bolha. Esse processo e involuntário e vai acontecendo com cada pessoa até mesmo sem percebermos a gravidade que isso trás. Se sentir seguro é muito bom porque você tem tranquilidade, entretanto essa tranquilidade pode trazer também uma falsa sensação de …. ok, está bem agora e não preciso mudar nada. Tenha uma certeza na sua vida: quando isso acontecer você estará com sérios problemas. O ser humano precisa sempre de desafios e principalmente mudanças então fique ligado e cuidado para não entrar nessa bolha com os olhos fechados porque depois será complicado pra sair. Será difícil mas não impossível ! Nada melhor que um intercâmbio para sair dessa bolha. Para tomar essa decisão você precisa apenas:

– Sair do trabalho atual seja ele um emprego qualquer ou uma posição com status conquistada com muito suor
– Deixar os amigos, familiares e em alguns casos o amor da sua vida (pelo menos por um tempo)
– Deixar seu carro
– Deixar a sua rotina diaria
– Não comer a sua comida preferida
– Abandonar por completo a sua noção de mundo

E ter coragem de:

– Ir para um pais desconhecido
– Não falar direito a língua local
– Sair do Brasil com a cabeça muito aberta e principalmente se preparar para tudo que vai acontecer
– Encarar qualquer emprego
– Aprender a conviver con o pensamento “o que eu estou fazendo aqui?”
– Vencer os desafios de morar sozinho e cuidar sua sua própria vida pessoal, financeira e sentimental
– Não tem ajuda de ninguém (ter que fazer as escolhas sozinho e cada escolha será essencial para o seu sucesso ou fracasso)

Esse são apenas alguns pontos porque tudo depende do seu ritmo de vida, daquilo que você faz e principalmente da vida que você levou até ter a ideia de fazer um arriscar em algo novo. A sua criação e relação com a sua família também vai ser determinante para a decisão. Independente se você mora sozinho, com a sua família, é casado (a), tem 15 ou 100 anos.. esse processo será normal pra todo mundo. Algumas pessoas tem uma facilidade maior enquanto outras tem muita dificuldade. Para tomar a decisão você precisa entender que tudo vai ser por um período apenas seja de 1 mês, 1 ou mais. Você vai voltar para os seus familiares e amigos com certeza. Para o emprego, talvez não porque você voltará com uma experiência melhor e principalmente com a cabeça diferente. Você precisa entender que tudo será por um tempo determinado e com certeza você terá chances melhores na vida quando voltar. Em alguns casos esse processo nem é opção mas sem necessário como foi o nosso caso.

Sair da zona de conforto é muito mais do que sair de casa com um monte de malas e sonhos na mochila. Sair da zona de conforto é dar uma nova roupagem pra vida porque você poderá experimenta uma vida diferente, conceitos novos e principalmente descobri que a sua bolha era muito pequena enquanto que o mundo e muito grande para não ser “vivido”. Eu fico impressionado como as coisas são diferentes do que eu pensava e olha que eu sempre tive a cabeça muito aberta para coisas novas entretanto pensar é uma coisa, viver é outra completamente diferente. Uma das coisas que eu mais gosto de fazer e conhecer novas culturas. Na minha querida Patos de Minas só tinha contato com o meu povo local e as vezes com pessoas de outras cidades em viagens etc. Tinha contato pela internet com muita gente mas viver as pessoas é outra coisa. Eu fico impressionado com a cultura de cada pessoa, até mesmo pessoas do Brasil porque aqui você tem contato com gaúcho, carioca, pernambucano, etc.. e cada pessoa trás uma roupagem diferente do que é viver. Além dos Brasileiros a melhor parte e ter contato com culturas de outros países. Eu já tinha essa noção das pessoas e depois das aulas  de sociologia, antropologia e historia da arte do meu querido Professor Moacir tive ainda mais essa ideia do que e ser uma pessoa dentro de uma torre de babel que e o nosso planeta. Com certeza esse período na faculdade foi um salto decisivo para solidificar o ideia de experimentar outras vidas. Mesmo andando na rua aqui em Dublin você vê como as pessoas vivem de formas diferentes uma das outras, comem diferente, pensam diferente, se vestem diferente e tem ideias completamente diferentes do que as suas. Em janeiro viajamos por 4 países e 9 cidades diferentes e em cada esquina tinha a sensação de estar sendo preenchido por essas diferenças incríveis. Nessas cidades além do contato com o povo e a cultura local, visitamos o passado em ruínas, monumentos e templos. Tudo e tão impactante que você nem tem vontade de ir embora e a “fome” só aumenta a cada lugar. Como uma pessoa apaixonada pelas historias da Roma antiga que sou, quase senti e ouvi os gladiadores no Coliseu e na arena de Verona. Foi como se eu estivesse ali vendo tudo aquilo ao vivo, foi incrível. Na Grécia então foi quase um nirvana e no Marrocos a sensação de que estava em outro planeta. Estava conversando com a Stefane essa semana sobre isso e as vezes nem parece que foi verdade tudo que vivemos aqui. A Mariane Cimi é uma aluna aqui da NED e nesse final de semana postou uma foto do rio Liffey com a legenda: As vezes nem acredito que eu vivo aqui  ! Essa é a sensação que eu também tenho de tudo porque um dia vou embora e ao acordar na minha cama terei a sensação de que tudo não passou de um sonho. O bom nisso tudo vai ser que foi tudo real e poderei reviver cada momento pela fotos e vídeos mais principalmente viajar nos pensamentos e lembranças dessa aventura. O contato com outras pessoas seja do Brasil ou de outras países é muito bom porque você tem uma nova noção de mundo, deixa preconceitos de lado e se vê diante de desafios novos. Analisando tudo que vive aqui em 2 anos e meio posso dizer com toda certeza que vale muito a pena “abandonar” a sua vida para embarcar rumo ao desconhecido. Todas essas experiências e sensações vão te moldando em uma nova pessoa porque o que você pensava antes não existe mais, seus valores crescem e principalmente a sua visão sobre o ser humano muda muito. E difícil escrever sobre esse tema porque cada pessoa tem um conceito sobre a vida mas uma coisa é certa: Ninguém volta pra casa do mesmo jeito, você pode voltar uma pessoa muito melhor e claro muito pior. Da mesma forma que sair da zona de conforto abre um novo horizonte positivo do outro lado negro você pode voltar ainda pior.

As vezes ainda nao acredito que moro aqui... Mariane Cimi

As vezes ainda não acredito que moro aqui… Mariane Cimi via Facebook (Foto Rio Liffey)

Muito bem, os pontos positivos dessa aventura que é sair de sua bolhinha são muito grandes. Quando voltar para o Brasil ou ir para qualquer lugar vou ter a certeza de ter feito a escolha certa e principalmente nunca mais terei mais a sensação de estar “confortável”. Sempre vou querer viajar para me alimentar das experiências e principalmente não terei medo das mudanças. A vida é feita para ser vivida e nunca podemos ficar “plantado” no mesmo lugar.  Talvez esse seja apenas o primeiro intercâmbio e a primeira fuga da minha bolha …. !