Como planejar um mochilão. Dicas, roteiros, passagem, hostel, atrações e muito mais #3

Deixe um comentário Padrão

Seguindo nossa série de matérias sobre mochilão chegamos no transporte. Essa parte exige muita pesquisa e planejando como em todos os passos dessa aventura. Com o oferecimento da Agência Intercâmbio para Brasileiros começamos pelas cidades e países. Definimos mais ou menos quantos dias em cada lugar e também pesquisamos sobre acomodação. Agora chegou aquela parte que dá medo e vai ter um impacto maior no bolso, ou não. Tudo vai depende de como você pretende fazer o roteiro, quais as cidades, época do ano e  também tempo para pesquisar. Quando falo pesquisar não estou querendo dizer necessariamente na forma de transporte ou empresa que você vai usar, mas sim quais os dias você vai viajar. Para exemplificar vamos definir visitar nas cidades A, B e C. De uma forma geral pode-se entender que vamos fazer o trecho A, B e C em seqüência mas o valor pode cair muito se escolhermos fazer C, A e B ou B, C e A. Os valores podem mudar de uma semana para outra então vamos pesquisar.

Cheap-Flights-to-Europe-Planes-big

Tipos de transporte: Dentro de um mochilão você deve considerar todos os meios de transportes possíveis. Na minha experiência pela Europa sempre escolhi avião porque o meu tempo era corrido. As vezes algumas pessoas optam por ônibus por ser mais barato só que você irá perder muito tempo na estrada e principalmente terá um cansaço maior. Alguns trechos de ônibus são inevitáveis como entre Bruxelas e Amsterdam, Jerusalém e Eilat. Dentro da Itália também as viagens de trem ficam muito mais baratas que avião. Alugar um carro também pode ser uma ótima pedida em alguns países. Assim como na pesquisa por atrações é possível encontrar muitas informações sobre o transporte entre cidades pesquisando no google com termos correspondentes; Como ir de Florença para Pisa. Como ir de Lisboa para Fátima e assim por diante.

Empresas aéreas: No primeiro momento você pode pensar logo na Ryanair e isso esta correto, entretanto tenha também outras opções e não fique preso em apenas uma empresa aérea. Basicamente dentro da Europa eu usei a querida Ryanair e também a Easyjet. Usei também a Arkia no trecho entre Eilat até Tel Aviv. A também Irlandesa Aer Lingus pode ser uma opção para alguns destinos como voar direto de Dublin para Amsterdam. Eles tem um preço maior mas em tempos de promoção surgem tarifas boas. Se você tem em mente roteiros não tradicionais ou tem duvidas sobre as empresas que fazem certas cidades é possível fazer uma busca geral usando o site www.skyscanner.com.br . Ele faz uma busca usando todas as empresas aéreas disponíveis naquela região e depois você pode comparar o valor da tarifa direto no site de cada uma. Foi numa dessas buscas que eu montei um roteiro pelo leste europeu e descobri uma tarifa de 120 euros ida e volta para Dubai de pela Wizzair. Esse roteiro não saiu do papel (por enquanto).

Trem, ônibus e táxi: Dentro da Itália, o trem é uma ótima opção. Além de ser uma experiência muito legal é barato e serve quase todas as cidades do país da bota. A malha ferroviária da Itália dá inveja a qualquer país e vale a pena ser pesquisada. No meu primeiro mochilão cheguei em Milão vindo de Marraquexe e depois foi tudo de trem. Milão > Verona > Veneza > Florença > Pisa > Roma. Consegui alguns trechos por 9 euros (janeiro 2013) pela Trenitalia. Consulte horários diferentes porque os valores mudam do período da manhã para noite. Na minha segunda vez quando viajei com minha mãe foi de Veneza pra Roma também de trem porque o valor estava infinitamente menor que o avião. Alguns trechos também podem ser feito de ônibus como citei acima mas eu sempre descartei essa opção pelo tempo e desgaste. A condição física durante esse aventura é muito importante então mesmo que o ônibus for um pouco mais barato que trem ou avião sempre escolho o mais rápido. Em alguns trechos só dá pra fazer de taxi como entre a fronteira de Israel e Jordânia até Petra (Jordânia). Até existe um ônibus local mas sem horários e informações concretas então o taxi é a única saída. Já fui com o pensamento de valores altos porque sabia que a moeda da Jordânia vale mais que o Euro. São 45 minutos de viagem mas para minha surpresa o valor foi muito baixo, 30 euros para 3 pessoas… A Jordânia é um país muito barato (falarei em breve). Pegar um taxi numa cidade desconhecida é complicado então pesquise muito antes de viajar e  sempre procure pelos veículos identificados com adesivos etc.

Tranquilo, só seguir em frente kkkkk (Fronteira Israel e Jordânia)

Transporte dentro das cidades: Muitos roteiros pelas cidades exigem uma caminhada para dar certo. Eu adoraria fazer sempre isso só que o tempo voa dentro do mochilão e mais do que nunca tempo é dinheiro. Eu sempre escolho o metrô por ser mais rápido e pela facilidade na maioria das capitais Européias. Ônibus pode ser útil mas apenas em alguns casos. Dentro das suas pesquisas tenha em mente esse gasto e procure sempre pelo ticket day pass ou para dias simultâneos. Em algumas cidades o bilhete é de uso ilimitado, outras diário ou por unidades apenas. Pesquise na internet sobre esses valores porque eles vão fazer a diferença no valor final do mochilão. Cada cidade tem uma dinâmica diferente, cada região merece um carinho então treine as pernas mas também tenha uma consciência de que muito tempo andando por significar atrações a menos no final.

Tranquilo achar pra onde vamos. Trem em Jerusalém.

Transporte do aeroporto até o centro (acomodação): Empresas  Low cost não voam para os aeroportos principais e você certamente vai aterrizar em outro aeroporto distante da cidade escolhida. O exemplo mais clássico disso é Paris onde A Ryanair saindo de Dublin vai para Beauvais mesmo mostrando no site Paris. Muitas vezes o bilhete de Dublin para Paris (Beauvais) custa 10, 15 euros (2013, 2014) mas o ônibus para o centro de Paris custa mais 16 euros.

Perdeu alguma parte dessa série? Parte I, Parte II

Links Úteis:

http://www.skyscanner.com.br
http://www.ryanair.com
http://www.aerlingus.com
http://www.arkia.com
http://www.easyjet.com
http://wizzair.com
http://www.trenitalia.com
http://www.terravision.eu/
http://www.egged.co.il
http://www.aeroportbeauvais.com

Esse série de matérias sobre mochilão é um oferecimento da Intercâmbio para Brasileiros.

www.intercambiopb.com
www.facebook.com/IntercambioPB
contato@intercambiopb.com

Solicite um orçamento no site ou venha nos visitar em uma das nossas unidades.

Livreto-IntercâmbioPB-1-2São Paulo:
Rua Paulo Orozimbo, 957
Aclimação
(11) 3207-6842

Porto Alegre:
Travessa do Carmo, Número 22
Bairro Cidade Baixa
(51) 3434-0461

Dublin:
119 Capel Street – Dublin 1
3rd Floor, Capel Chambers, Dublin – Irlanda
europa@intercambiopb.com
Telefone: +353 (0) 89 979 8752

Anúncios

Como planejar um mochilão. Dicas, roteiros, passagem, hostel, atrações e muito mais #2

Comentários 2 Padrão

Olá amigos, na nossa sequência de dicas sobre mochilão chegamos na parte da acomodação. Essa fase deve ser muito bem planejada pra você não perder tempo dentro do roteiro e ainda ter dores de cabeça. Um detalhe que eu não falei antes é sobre definir mais ou menos quanto você pode gastar porque não adianta escolher 10 países e depois a grana ser suficiente. No final de todas as dicas será possível ter uma previsão final de tudo que você vai gastar porque seria muito bom sair viajando sem ter limite de gastos mas na prática tudo precisa ser controlado ao extremo dentro de um mochilão de verdade.

Antes de partir, planejar .. planejar e conferir.

Antes de partir, planejar .. planejar e conferir.

Bem, na primeira parte dessa série (aqui) já escolhemos o tempo que vamos ficar fora. Demos uma olhada básica sobre o que fazer em cada lugar e definimos mais ou menos quantos dias vamos ficar em cada cidade. Agora vamos partir para um gasto considerável dentro do planejamento que é a acomodação.

1) Hostel: Mais barato de todas as opções é procurada por 99% das pessoas que viajam fazendo mochilão. Sempre tem uma estrutura menor que hotel, quase sempre com quartos e banheiros compartilhados.

2) Hotel: Em alguns países essa opção fica mais barata por causa de promoções.

3) Barcos: Isso mesmo, em alguns lugares com muito canais como Amsterdam por exemplo, existem acomodações em barcos que ficam ancorados perto do centro.

4) Couchsurfing: Essa opção é muito usada porque você não paga nada pela hospedagem. É um sistema de relacionamento onde você recebe pessoas em casa e depois pode ter a oportunidade de fazer o mesmo na casa dos dessas pessoas ou de outras. De uma forma simples é uma rede social para viajantes do mundo. Eu, não usei essa opção mas conheci muitas pessoas que viajaram muito sem pagar 1 centavo de acomodação. (https://www.couchsurfing.org)

Contatos com pessoas dos lugares também podem ser uma possibilidade mas basicamente você não fugirá das duas primeiras opções. Ok, com as datas mais ou menos definidas em cada lugar você precisa começar a pesquisa os valores médios de cada cidade para colocarmos no orçamento final. Lembre-se, só tem como definir essas parte com as datas programadas em cada cidade, mesmo que seja apenas uma primeira ideia. A primeira coisa é pesquisar nos melhores sites de acomodação. (na minha opinião).

Hostelword: Utilizado para pesquisas de acomodação disponível em praticamente todo o mundo.  Apesar de muitas pessoas usarem a minha experiência não foi muito legal. Não consigo resultados completos para as datas e ainda uma forma de filtrar melhor. (opinião pessoal).

Booking:  Na minha opinião é o melhor porque os resultados são mais organizados com números de pessoas por quartos, tipo de quarto, localização aproximada de um certo ponto turístico ou aeroporto etc. Eu sempre comecei as pesquisas pelo hostelworld mas depois de um tempo passei a usar o booking em todas as viagens.

Google: O google também é uma ótima opção quando você busca por palavras chaves como hostel barato em Lisboa, cheap hostel in Paris por exemplo. As vezes pode acontecer promoções diretamente com o local (consegui em 2 ou 3 oportunidades).

Existem outros sites de busca mas de acordo com minha experiência os resultados foram mais satisfatórios com esses. Bem, para escolher um local você precisa analisar alguns aspectos:

1) Localização:  Em todos os lugares que eu fui existiam transportes fáceis do aeroporto até acomodação. Com metrô disponível em quase todas as capitais da Europa procure então se existe uma estação próximo ao seu hostel/hotel. De uma forma geral não tem como ficar próximo de tudo então eu sempre tive essa maneira se escolher sempre analisando como seria o transporte até as atrações já definidas. Em alguns lugares como Amsterdam é melhor ficar próximo do “frevo” mesmo mas em outros lugares como Paris, Berlim, Roma etc tanto faz porque tem metro em toda esquina e com preço acessível. O valor que se paga por um hostel no centro de Paris é muito maior do que um mais afastado + transporte. Eu sempre levo em conta uma região como base central onde fique fácil ir de um lugar para o outro. Claro, se tiver metro porque não da pra depender de ônibus o dia todo e isso vai te fazer perder muito tempo. As vezes é possível encontrar uma promoção legal na região central dai sim … hora pro centro.

2) Fotos: Por mais boba que possa parecer ver as fotos do lugar sempre ajuda na escolha. Eu sempre levo em consideração o empenho do lugar em colocar informações, fotos, dicas, facilidades etc. Acredito que se o lugar não se preocupe em colocar fotos do local certamente terei problemas. Claro, as fotos podem ser manipuladas e quando chegar lá não ser nada daquilo mas pelo menos ajuda no psicológico porque esse processo não passa de uma relação de valores e afinidade.

3) Preço: Claro, o preço é um fator um importante e todos os mecanismos de buscam possibilitam filtrar os resultados. É complicado escolher uma acomodação apenas pelo preço mas isso deve ser levado em consideração. Tenha em mente que a acomodação vai ser apenas um lugar para descansar. Não invista muita grana nessa parte porque certamente vai fazer falta em outras coisas. Você pode também pegar o nome do hostel dos sites de buscar e depois acessar o site direto pesquisando também os valores. As vezes pode acontecer uma diferença de preços fechando direto com o local ou pelo hostelworld/booking.

4) Facilidades: Nas minhas primeiras viagens não escolhia café da manhã na acomodação por achar que na rua ficaria mais barato. Depois de um tempo eu senti que o valor ficava um pouco mais caro e ainda me fazia perder muito tempo procurando um lugar para comer. Em quase todas as situações escolhendo um local com essa facilidade vai ser melhor (não sempre). Faça uma busca e compare um local com e sem café. Recepção 24h, Wifi, lockers (local para deixar a mochila durante o dia, caso o quarto seja compartilhado), tolhas, ar condicionado (essencial em alguns países durante a noite), pagamento antecipado tem desconto, pagamento somente no dia do check in, cancelamento sem pagamento de taxas etc… Em Petra na Jordânia por exemplo o hostel nos levava de carro na entrada da cidade antiga todo dia, gratuitamente. Isso contou na minha escolha.

Antes do mochilão não veja esse filme.

Antes do mochilão não veja esse filme

Analisar o ranking do hostel também ajuda mas não levo muito em consideração porque a experiência de uma pessoa pode ser diferente da outra. Se você paga 8 euros por dia de acomodação já tem que saber de que não vai ser um hotel 5 estrelas. Muitas das vezes vi comentário negativos de um lugar e quando cheguei lá não tive grandes problemas. Se eu fosse uma pessoa chata certamente iria reclamar mas pelo preço pago …. A única coisa que eu olho no ranking é sobre o barulho na rua. Isso sim é um grande problema e deve ser evitado. Se em 100 pessoas 70 citaram esse aspecto certamente o problema existe (tenho sono leve).

Vamos ao planejamento. Pegue os valores de cada cidade e coloque junto das suas datas como no modelo que eu coloquei no material anterior. Dessa forma você vai ter um resumo de todas as despesas juntas. Eu como viajei sempre a com a Stéfane optava pelo quarto double (duas pessoas). Em uma das minhas primeiras viagens à trabalho em Manchester fiquei num quarto compartilhado e a experiência não foi legal. Além de ter o sono muito leve o abre e fecha porte me deixou realmente nervoso. Claro, essa é a opinião de casal porque se for solteiro acho que o compartilhado será melhor por conhecer novas pessoas etc… O certo é que depois de um dia cheio nada como um local tranquilo para descansar… O sucesso do intercâmbio depende muito de um sono bem dormido. Se você esta viajando em casal ou grupos leve sempre em consideração no seu planejamento os valores individuais, mesmo que sejam em quarto para mais pessoas.

Claro, não tem como saber como vai ser realmente a experiência e muitas vezes tivemos surpresas desagradáveis como poeira, barulho, local sem internet, pão com café apenas e também outras surpresas agradáveis como locais muito melhores do que nas fotos, mudança de quarto porque fizeram reserva errada e nos colocaram em guardo com banheira ou café da manhã digno de um Hilton da vida. Você pode optar por pegar o mais baratinho, um com valor médio ou o mais caro, sempre será uma loteria mas na maioria das vezes da tudo certo. Não vão faltar histórias sobre esse assunto kkkk.

Esse série de matérias sobre mochilão é um oferecimento da Intercâmbio para Brasileiros.

www.intercambiopb.com
www.facebook.com/IntercambioPB
contato@intercambiopb.com

Solicite um orçamento no site ou venha nos visitar em uma das nossas unidades.

Livreto-IntercâmbioPB-1-2São Paulo:
Rua Paulo Orozimbo, 957
Aclimação
(11) 3207-6842

Porto Alegre:
Travessa do Carmo, Número 22
Bairro Cidade Baixa
(51) 3434-0461

Dublin:
119 Capel Street – Dublin 1
3rd Floor, Capel Chambers, Dublin – Irlanda
europa@intercambiopb.com
Telefone: +353 (0) 89 979 8752