E o NÃO venceu na Escócia

Deixe um comentário Padrão

Um resultado aguardado não só pelos Escoceses mas também pelo mundo confirmou que o país do kilt vai seguir fazendo parte do Reino Unido, pelo menos por mais alguns anos. Na minha opinião foi uma decisão sensata porque se o país viesse mesmo a sair do bloco certamente teria muitos problemas a começar pela moeda. O país ficaria isolado do resto do mundo e somente depois de anos de negociação que tecnicamente eles poderiam entrar na União Européia. Bem, seguem os livros de historia da forma que estão e não precisaremos comprar outras bandeiras para colocar nas mochilas hehe. Considerando a diferença de apenas 10% na vitoria do não pode-se dizer que esse assunto voltará a ser debatido em alguns anos.

População da Europa

População da Europa

A título de curiosidade a população da Escócia é de apenas 5,2 milhões de pessoas. Um fato interessante que descobri durante o intercâmbio é que a maioria dos países da Europa tem uma população muito pequena (comparada ao Brasil). Eu não tinha a dimensão real do que era a Europa até ver com os meus olhos e como os países são próximos. Fato que determinou muitas guerras e também mudanças geográficas ao longo dos tempos. A maioria dos países tem menos de 10 milhões de habitantes e com isso vem algumas diferenças primordiais para uma comparação com o Brasil. As vezes temos a idéia de que tudo funciona na Europa e no Brasil tudo é travado. Bem, isso tem uma explicação. A Irlanda por exemplo tem uma população de pouco mais de 4 milhões de habitantes. A Noruega  que é vista com modelo de muitas coisas tem muito mais de 4,5 milhões de habitantes. Imagine administrar um pais com essa quantidade de pessoas? Tudo é tecnicamente mais fácil porque se você imaginar que no Brasil temos mais de 200 milhões de pessoa. Outro fator que dificulta tudo é a extensão territorial. A maioria dos países Europeus é menor do que qualquer estado Brasileiro. Novamente, administrar tudo isso é muito mais fácil. Por outro lado com o tamanho do Brasil seria possível explorar melhor as potencialidades gerando mais receita e crescimento econômico. É difícil entender todo esse cenário porque a Europa está lá a dezenas de séculos enquanto o nosso Brasil tem pouco mais de 500 anos. O certo é que temos tudo para sermos um bom país mas ficamos travados na política e também na forma de pensar da população.

Como planejar um mochilão. Dicas, roteiros, passagem, hostel, atrações e muito mais …

Deixe um comentário Padrão

Sair pelo mundo só com uma mochila desbravando países, conhecendo pessoas e passando alguns apuros. Quem nunca teve essa vontade? Nem todo mundo tem esse espírito de desbravador que quer sair andando por ai se arriscando em cidades novas mas todo mundo tem pelo menos a vontade de conhecer Paris (ou não kk). Independente se você é mais sonhador ou conservador logo que escolher a Irlanda como destino do intercâmbio certamente vão começar os cálculos e também os planos para conhecer o mundo lá fora.

Pra onde Ir? (Foto do Mini Europe em Bruxelas)

Pra onde Ir? (Foto no Mini Europa em Bruxelas)

Você já viu falar na Ryanair? Uma das principais empresas low cost da Europa com destinos variados e tarifas atraentes. Quando defini que a Irlanda seria a minha casa durante um tempo logo conheci um site amarelo que dizia LOW COST. Com o inglês level -2 traduzi no google essa expressão e comecei a fazer planos mirabolantes. Naquela época ainda era possível comprar trechos por 1 euro, coisa que mudou com o tempo entretanto nada que desfizesse meus sonhos. Eu não tinha muita pretensão porque a grana era curta e ainda tinha que trabalhar para pagar toda a viagem que foi parcelada na cartão. Mesmo chegando na Irlanda com o propósito de pagar a viagem sempre tive a vontade de conhecer pelo menos um país. Com muito esforço consegui viajar por 15 países e ainda levar minha mãe numa dessa aventuras onde conhecemos lugares que era o sonho dela como o Vaticano, Jerusalém e Fátima em Portugal. Graças a Deus e ao intercâmbio. #thanksDublin #thanksIntercâmbio

Todo mundo pode viajar durante o intercâmbio na Irlanda. O que vai determinar quantos países e justamente o esforço pra conseguir um trabalho, muita dedicação e economia no dia a dia.

Vamos lá então falar do titulo desde material que vai ser dividido em partes afinal planejar um mochilão não é uma tarefa simples.

1) Determinar o tempo que você tem disponível:

Muita gente deixa pra viajar nos últimos meses do intercâmbio para poder ter mais tempo e essa pode ser uma boa ideia. Esse modelo é legal porque você pode resolver todos os seus problemas, passar a sua vaga de acomodação e deixar as suas coisas na casa de um amigo. Você não vai pagar o último aluguel e depois pode voltar um dia antes da viagem de regresso ao Brasil. Eu indico essa opção para quem vai fazer um curso mais curto porque o tempo em Dublin será pequeno e se você for viajar toda semana certamente terá um rendimento menor na escola. Se você vai para um curso maior certamente será possível fazer viagens sazonais e também viajar no final do visto. Claro, tudo depende de uma série de fatores como valores de passagens, clima, etc..

No primeiro ano quase todos os rendimentos estão comprometidos com as despesas na Irlanda, pagamento da viagem e ainda salvando recursos para uma possível renovação do visto. Como tudo era incerto não viajei nenhuma vez no primeiro ano. Tirando algumas cidades próximas a Dublin não sai da terra verde. Definir o tempo da viagem é uma coisa complicada porque quando você tem dinheiro você não tem tempo. Quando você tem tempo não se tem dinheiro. (Uma diferença de agora para 2011 é que na época cada pessoa precisava comprovar apenas 1000 euros. Não dava pra viajar logo de cara como acontece hoje usando os 3000 euros da comprovação).

2) Escolher os países:

Todo mundo tem vontade de conhecer o país X ou Y e nessa hora tudo deve ser colocado no papel. Procure países próximos porque vai facilitar o transporte. Se você tem um país longe do outro não tem problema mas procure aproveitar a localização porque por alguns euros a mais você conhece um lugar diferente. Faça uma lista grande e depois vá cortando alguns até ficar os que você realmente quer. Essa escolha preliminar vai ser importante no momento da compra do transporte. Somente lá é que você vai poder realmente definir 100% por onde você vai passar.

3) Quantos dias ficar em cada lugar:

Essa dúvida parece ser muito difícil mas na verdade não é. A primeira coisa que você precisar fazer para realmente definir quais os lugares que você vai e quanto tempo você ficar em cada um é conhecer o que tem pra fazer lá. Things to do in .. é o melhor início para fazer essa parte do planejamento. Procure conhecer os TOP 10 daquela cidade e quanto tempo se leva para fazer cada parte. Você deve fazer a busca em Inglês e Português .. Procure os links da segunda página do google. Não fique apenas nos links patrocinados e leia muito sobre cada lugar. Termos para ajudar na pesquisa.

– Things to Do in …
– Roteiro de 3 dias em … (ou mais dias)
– Top 10 free attractions in ..

Depois de uma pesquisa completa sobre cada lugar tudo ficará mais simples e você sentira a necessidade de ficar um tempo maior aqui ou ali e isso vai ajudar em todo o processo. Faça uma lista inicial com as datas e também as cidades que você pretende passar com as datas de chegada, dias livres e data de saída. Essa organização vai te dar uma noção de todo o planejamento. Cada pessoa tem uma necessidade e cada cidade tem uma quantidade X de lugares e coisas para fazer. Se você gosta de museus certamente vai precisar de mais dias em Paris. Se você quer apenas caminhar e conhecer a cidade não vai precisar de tantos dias assim. Não existe um numero ideal de dias em cada cidade porque depende do que você quer fazer.

Bem, nosso planejamento esta ficando bom e já temos as datas, algumas cidades e mais ou menos definidos os dias em cada lugar. Vá fazendo uma listagem de caneta mesmo pra você poder mudar, trocar, riscar e anotar todas as observações. Como disse no início fazer esse planejamento demora mas quanto mais dedicação melhores serão os resultados e mais barato tudo vai ficará. Se você fizer tudo correndo certamente vai gastar muito mais e assim perderá uma verba que pode ser suficiente para visitar outra cidade.

Modelo de planejamento com simulações. Esse foi o início do primeiro mochilão.

Modelo de planejamento com simulações. Esse foi o início do primeiro mochilão.

Pra montar um mochilão completo é necessário dedicação e pesquisa. Se você tiver alguma duvida pode perguntar que estou a disposição.

Esse série de matérias sobre mochilão é um oferecimento da Intercâmbio para Brasileiros.

www.intercambiopb.com
www.facebook.com/IntercambioPB
contato@intercambiopb.com

Solicite um orçamento no site ou venha nos visitar em uma das nossas unidades.

Livreto-IntercâmbioPB-1-2São Paulo:
Rua Paulo Orozimbo, 957
Aclimação
(11) 3207-6842

Porto Alegre:
Travessa do Carmo, Número 22
Bairro Cidade Baixa
(51) 3434-0461

Dublin:
119 Capel Street – Dublin 1
3rd Floor, Capel Chambers, Dublin – Irlanda
europa@intercambiopb.com
Telefone: +353 (0) 89 979 8752

Hoje é um dia histórico na Escócia

Deixe um comentário Padrão

Fazer um intercâmbio na Irlanda é algo muito grandioso porque além de estudar o necessário inglês temos oportunidades únicas de conhecer países, historias, lendas e povos daquela região. Depois de um tempo vivendo com esses povos você começa a ter os mesmos sentimentos deles. A história da Irlanda é muito complicada em sua relação com a Inglaterra. Essa relação de ódio esta perdendo força com as novas gerações mas um passado repleto de mortes, guerras, sanções e principalmente crueldades não pode ser esquecido. Depois de alguns meses na Irlanda você já começa a sentir essa indiferença que é quase a mesma coisa que sentimos em relação aos Argentinos. Tecnicamente todo Brazuca não gosta dos vizinhos mas ninguém sabe explicar porque.

Somente em 1921 depois de mais de 7 séculos conturbados nessa relação é que a Irlanda conseguiu sua independência. Apesar de ter perdido parte de suas terras a nação seguiu seu caminho e hoje tem uma relação próxima por causa do comercio e outros tantos fatores.

Na Escócia a situação foi diferente onde a independência não veio mas sim aconteceu uma fusão de terras criando o Reino Unido juntamente com o País de Gales, Irlanda do Norte e Inglaterra. As ligações entre Escócia a terra da Rainha são muito fortes por inúmeros motivos. Essa relação pode ter um fim hoje com um referendo que acontece nesse momento e propõe a inteira separação do bloco. Essa mudança seria algo sem precedentes na historia daquela região mudando os livros de historia para sempre.

Ao visitar a Escócia é possível ver a forte relação entre os dois países com símbolos da realiza britânica, monumentos, museus, nomes de ruas etc. O clima é muito diferente da Irlanda onde as pessoas não gostam mesmo da Rainha mas na Escócia pelo que percebi eles gostam de fazer parte desse contexto.  Bem, pelo menos uma parte das pessoas porque o movimento separatista começou fraco e com o tempo foi juntando forças até chegar a marca de 52% das intenções de votos na consultar popular de hoje. Os últimos números de pesquisas mostram empate e o resultado virou um suspense.

Caso o país realmente escolha ser independente várias alterações vão acontecer no setor comercial, moeda, tratados, bandeira entre outras dezenas de coisas. É uma situação muito importante não só para a Escócia mas para todo o mundo. A Inglaterra vem perdendo suas “colônias”ao longo dos tempo e isso pode trazer mudanças profundas na economia Britânica.

Um fato interessante é que se mesmo que o SIM venha a ser escolhido pela população a Rainha da Inglaterra segue como peça importante na Escócia. Existem tratados que são selados antes da total independência e claro eles não vão apenas sair de lá. A própria rainha tem um castelo perto do centro onde vem passar alguns dias por ano entre dezenas de propriedades. Na Irlanda eu tive contato com algumas pessoas que fizeram intercâmbio na Austrália e eles me disseram que mesmo depois da independência a presença britânica segue em alguns setores com fortes influências. Se o SIM ganhar até mesmo a famosa bandeira do Reino Unido possivelmente irá mudar.  Ela existe desde 1801, é composta por três bandeiras de santos que representam três países: São Jorge (Inglaterra), que tem fundo branco e cruz em vermelho; Santo André (Escócia), com fundo azul e um “X” branco; e São Patrício (Irlanda), que é branca e tem um “X” em vermelho. Caso a Escócia deixe de pertencer ao Reino Unido, a bandeira perderia a cor azul e poderia ser modificada para contemplar as cores do País de Gales, que também pertence ao Reino Unido, mas não está representado na Union Jack que é o nome desse conjunto de cores e formas.

bandeirasru1Tudo isso é muito interessante e merece a atenção de todos. Ter feito parte desse contexto mesmo que por alguns dias é algo surpreendente que só quem passou por lá sabe. A mesma coisa aconteceu no recente conflito na Faixa de Gaza onde ver o sofrido povo palestino sendo massacrado foi triste. O intercâmbio é realmente algo magnifico.

Jervis Shopping Dublin

Deixe um comentário Padrão

Durante um intercâmbio você tira milhares e milhares de fotos e por mais que você seja  uma pessoa organizada não conseguirá ver todo esse material. Depois do retorno sempre que bate aquela saudade basta entrar nas pastas para rever ou até mesmo conhecer alguma coisas. É tanta coisa que possivelmente você não se lembrará que tinha tirado aquela foto ou feito aquele video. Na minha série de achados vou postar um timelapse legal que fiz no maior shopping do centro de Dublin, o Jervis.

Como levar seu animal de estimação do Brasil para a Irlanda

Comentários 3 Padrão

Já explicamos aqui no blog como fazer o processo da Irlanda para o Brasil, em detalhes. Um passo a passo de tudo que você precisa fazer e como funciona na realidade o transporte da terra verdade para a terra Brasilis. Bem, agora vamos explicar como funciona o processo inverso de como levar o seu bichinho do Brasil para a Irlanda.

Antes, uma breve reflexão sobre o assunto.

1) Adaptação e moradia:   Esse assunto deve ser muito bem pensado antes da decisão de realmente levar seu PET pra Irlanda. Tenha em mente que você vai passar por um processo de adaptação complicado em vários sentidos. Entenda que você não tem uma residência fixa e certamente vai ter que morar com outras pessoas e em 99,9% das vezes ela serão totalmente desconhecidas. A maioria das pessoas amam bichos de estimação mas no intercâmbio tudo é muito intenso e o seu animalzinho pode passar de um amorzinho para a um problema. Certamente você terá que se mudar pelo menos 1 ou 2x durante o intercâmbio e isso pode ser complicado mas uma vez. Em várias situações os donos das casas não permitem Pet’s pelo fato do barulho ou por causa da mobília.

2) Despesas com alimentação e saúde: De uma forma geral os preços de ração e outras coisinhas que nossos bichinhos gostam não são caros (muito mais barato que no Brasil) e também veterinário não é um valor absurdo. Claro, essa conclusão de que as coisas são ligeiramente baratas só pode acontecer depois de você já esta trabalhando. Os gastos iniciais são altos e ter mais uma despesa fixa por elevar mais ainda suas contas. Na adaptação, o PET pode ter alguns problemas de saúde e com isso algumas visitas ao VET serão necessárias. Eu não vejo esse aspecto como um grande problema mas deve ser considerado.

3) Tempo de estadia na Irlanda: O processo de transporte é muito traumático para o PET. Tive essa impressão com o Dexter porque quando chegamos em SP ele estava muito assustado pra não falar desesperado. Deve ter sido um sofrimento pra ele ficar no porão do avião durante todo aquele tempo. Eu não sei sobre cachorrinhos mas com gatos é diferente e eles ficam muito preocupados e com certeza o choque é maior. Claro que ele voltou a ser a mesma fofurinha de antes mas sempre nos perguntamos como foi aquela viagem pra ele (kkkk coisa de pais preocupados). Mesmo que você tenha planos de ficar muito tempo na Irlanda  é muito difícil prever o que vai acontecer porque tudo muda muito e pode ser que você tenha um gasto elevado, um trauma muito grande para o PET e fique pouco tempo na Irlanda.

Eu não recomendaria levar um PET pra a Irlanda porque pode até parecer ser possível organizar tudo mas depois que chegamos na Irlanda é que entendemos como tudo funciona. Como é realmente a vida dividindo casa com outras pessoas e principalmente como é a rotina de um intercambista. Eu aconselharia esperar um pouco e só depois que tudo estivesse correndo bem fazer esse processo. Não se deixe levar pela emoção de ter o seu PET perto de você porque tudo pode se tornar um pesadelo.

Eu já vinha pesquisando sobre o processo de levar PET do Brasil pra Irlanda mas sempre encontrava informações antigas e ficava na dúvida se deveria postar. Na semana passada o E-Dublin  fez um vídeo muito legal com uma pessoa que acabou de chegar na Irlanda com seu PET. Nesse video informações completas e atualizadas sobre todo o processo (2014). Nesse caso especifico eu recomendaria fazer o transporte do PET porque o casal já chegou com as coisas organizadas e pelo que parece moram sozinhos, fato diferente da maioria dos estudantes.

Links Úteis:

http://www.tesco.ie
http://www.maxizoo.ie

O que vai mudar com as novas regras de imigração na Irlanda?

Comentários 8 Padrão

O assunto é complicado e sempre gera muitas informações distorcidas causando pânico e problemas. A primeira coisa que você precisa fazer é buscar apenas informações oficiais nos sites dos órgãos competentes. A segunda coisa é sempre ter contato com sua agência/escola e por fim seja flexível porque mudanças sempre acontecem, principalmente se tratando de imigração.

visto-635x362Em 2010 planejando meu intercâmbio estava com tudo quase pronto e já pelo final do ano veio a bomba das mudanças nas regras de imigração da Irlanda. No primeiro momento fiquei realmente preocupado e pensei que o sonho seria destruído. A primeiro coisa que eu fiz foi entrar em contato com as pessoas responsáveis pelo meu curso para saber o que estava acontecendo porque todo mundo estava surtando no orkut (sim, isso mesmo. O finado Orkut era a principal fonte de informações vindas da Irlanda). O fato mais relevante era sobre o valor a ser declarado que iria passar de 1000 para 3000 euros para o curso de ano. O segundo ponto era que o GTA não poderia ser usado para tirar o visto Irlandês (pelo menos o bronze basicão). Depois de entender as mudanças alterei minha programação para dar tempo de chegar antes do prazo final principalmente por causa do valor a ser declarado que no caso era muita grana e não conseguiria num espaço de tempo tão curto. Me planejei, viajei e deu tudo certo.

Como disse nos comentários de algumas perguntas tudo é muito novo e o governo da Irlanda sempre deixa alguns pontos em aberto e foca apenas em algumas mudanças mas significativas. Eu passei por essa mudança nas vésperas do meu embarque e depois por outras de menor impacto durante o meu tempo na Irlanda. O certo é que as coisas estão mudando e tudo isso visando proteger os alunos e criar um sistema mais forte. Na minha opinião o ponto que mais vai afetar os alunos é justamente sobre trabalho. A partir de janeiro os alunos poderão trabalhar full time apenas durante o verão e depois num pequeno período entre dezembro e janeiro. Esse novo cenário vai prejudicar um pouco aqueles que tem o projeto de se dedicar ao trabalho durante as férias do curso entretanto nem tudo está perdido. O certo é que todo mundo vai poder continuar trabalhando e isso já é muito bom. Em vários países os alunos não podem trabalhar de jeito nenhum, imagina? Isso séria realmente muito ruim mas no caso da Irlanda essa autorização segue normalmente.

Mas André, se eu trabalhar apenas meio período conseguirei pagar minhas contas?

Essa pergunta deve estar sendo feito por todo mundo porque eu mesmo me faria nessa situação. A resposta é sim, claro, você conseguirá se manter e ainda poderá viajar com certeza. Diferentemente do Brasil onde temos que trabalhar muito para ter uma vida mais ou menos na Irlanda se você trabalhar meio período tudo correrá bem. Faça uma conta simples: 4 horas por dia x 8,65 (remuneração) x 5 (dias por semana) = 692 euros por mês. Esse valor vai ser suficiente para pagar todas as despesas e até viajar se você conseguir se organizar. Claro, trabalhar o dia todo e ganhar quase o dobro seria muito melhor mas pense positivo porque o governo poderia cortar a possibilidade de trabalhar e ai sim séria terrível. Esses valores são apenas para exemplificar porque existem salários um pouco maiores como é o caso de quem trabalhar em PUB, grandes empresas etc.

Sobre valores para sobrevivência em Dublin tudo depende da rotina de cada pessoa. No início temos uma tendência a cortar gastos e viver com um mínimo possível afinal somos apenas estudantes. Depois com o passar do tempo e os primeiros empregos vamos aumentando a qualidade de vida aos poucos. No início da minha jornada em Dublin eu gastava muito pouco porque era necessário. Quem acompanha esse blog já viu os milagres que fizemos ao passar a semana com 10 euros de alimentação para cada um. Depois com o inglês melhorando e os empregos fixos esse valor mudou drasticamente e assim deve ser com todos. Eu sempre aconselho levar uma vida de pobre porque tudo é muito novo e cada centavo pode fazer a diferença mas pra frente. Não tente ter uma vida de rei logo de cara porque as coisas podem complicar. Os 3000 euros parecem muito e um ditado ouvido em Dublin exemplifica esse cenário: NO INÍCIO TIRAMOS DINHEIRO COM O BALDE E COLOCAMOS COM O CONTA GOTAS (as vezes).

8874677_orig-660x438

Eu sei que existe o lado negro da história também e como hoje muitas pessoas trabalham full time durante o curso acredito que muitas pessoas vão pode continuar trabalhando full time mesmo depois das mudanças a não ser que o governo pegue mesmo no pé das empresas e comece uma fiscalização intensa no mercado de trabalho. Esse não é um erro das escolas mas porque são as próprias empresas que oferecem o full time não estão nem ai para cartas etc. Eu acredita que esse cenário vai continuar existindo ainda por muito tempo. Veja bem as pessoas que trabalham como aupair e ganham valores as vezes menos que a metade do mínimo ou até mesmo 100 euros por semana (valores de 2011, 2012 e 2013). Geralmente meninas precisam aceitar esse desafio para poderem se manter na Irlanda até acabar o curso ou aparecer um emprego melhor. Isso não acontece em todos os casos mas elas chegam a trabalhar 10, 12 horas por dia recebendo 100, 120 euros por semana. Esses buracos na lei vão continuar acontecendo não só na Irlanda mas em todos os países.

Sobre as escolas esse processo de mudança começou em 2013 mas veio a tona somente em abril desde ano depois de um jornal local divulgar amplamente vários problemas principalmente relacionados com “escolas fantasmas’. Até agora 7 escolas encerraram suas atividades, fato visto por esse blogueiro como bom para os alunos e até mesmo para o mercado porque quem antes prostituía o setor não esta mais em atividade.

Eu acredito que novas mudanças serão anunciadas no decorrer dos próximos meses porque alguns pontos ficaram sem explicação no comunicado divulgado nessa semana. Como dito antes, tudo isso visa proteger os alunos para a criação de um sistema forte e sério tirando instituições de fachada que acabavam prejudicando todo mundo. Para os alunos resta apenas ter paciência e estudar a melhor forma de se adaptar as novas realidades.

Qualquer dúvida pode perguntar que estou a disposição para ajudar nesse processo.